sábado, 26 de janeiro de 2013

Sabem

Aquele sentimento de, não é de felicidade plena ainda que seja de uma certa felicidade, de saberem que estão a fazer as coisas bem? De que as coisas apesar de tudo estão no seu alinhamento certo? Um sentimento de conforto. De que as coisas são como são e assim é que faz sentido ser, ainda que pudessem ser de outra forma. E que, o que vier virá e será o que faz falta.
Esse sentimento geralmente vem porque sim, despertado por alguma coisa não particular, porque sim. E é, no fundo, a ponta de um icebergue, o que sai da superfície e nos desperta para isso. Foi esta música a ponta do icebergue. Deixou-me feliz e quero ver o filme, ou será que gosto da música porque acho (sei) que vou gostar do filme? Eu explico, a publicidade a este filme no canal fox life tem como música de fundo esta:



Já havia tido uma “epifania”. Estou solteiro e há que aceitar isso. Isto é, não há mal nenhum nisso, se o que eu quero é uma relação séria e se ela não vem por eu ter apenas a idade que tenho, isto é, quero uma coisa que geralmente não se tem na minha idade, ou muito raramente alguém já tem, então “espera-se” por isso, e se vier vem, sem dramas. E entretanto tenho o direito, e posso, viver outras coisas. Estou solteiro, estou solteiro, adoro-me (ponto). Há que aproveitar o que tenho neste momento, os meus amigos, as pessoas que conheço, a vida que vivo e tenho neste momento, porque também foi a vida que quis ter desde pequeno. A partir de aqui há que pensar uma nova vida que quero e, também, “ver” no que esta irá dar, no que se tornará. Estar solteiro para mim  não é sinónimo de andar por ai. A “experimentar”. A “comer” por “comer”. Espera-se mais um pouco para ver o que vem ai, sem dramas. E, enquanto isso, vai-se fantasiando com o rapaz mais sexy, giro e gay (! Bónus) do curso (para além de mim claro, cof! cof!) e que ele nos levanta as coxas contra a parede. Esta é uma das histórias que não foi partilhada neste blogue (bem, por causa DISTO - assunto que já está mais que recalcado, já agora), mas, basica e resumidamente, o que há para contar é: 
      *Momento de vergonha 1, passado por mim, claro.
      *Momento de vergonha 2, passado, também, por mim, claro.
      *Ele fica com o meu número, numa maneira muito bem engendrada por mim, diga-se de passagem.
      *Há uma forma de “comunicar com ele”.
      *Ele pede o meu facebook.
      *Eu digo-lhe que fica «a dever-me uma». 
      *E... A mona já não disse mais nada. Pronto finito, aguardam-se desenvolvimentos. Caso os haja, casa não haja, olha... Paciêncinha. Mas nem me vou mexer mais nesta história, recuso-me.  

Estou mais velho. Isto é, perdi o ar de miúdo que tinha ainda o ano passado. Nota-se, é na zona dos olhos. Dá-me graça, é verdade. O problema é que isto passa muito rapidamente e não tarda já tenho de andar nas plásticas, just saying. Estou em bom agora e a passar desse “em bom”. 
Fiquei contente por ter feito as cadeiras todas do primeiro semestre que tinha que fazer, as notas foram boas, ainda que não as melhores. (Volta secundário, estás perdoado). Mas fiquei feliz, fiz os “cadeirões” à primeira. E ainda que não sejam grandes notas, dá-me mais prazer ir às aulas e ouvir o que ouço, aprender o que aprendo, pensar sobre isso e viver a minha vida e os vários interesses que tenho (ainda que não os viva plenamente, há sempre mais em potência não é?), e as notas não são indicadores de nada só por si. Era o que mais me faltava, martirizar-me porque tive aquela nota e não aquela. (Ainda que isso aconteça por vezes, claro). Mas no que gostei e tive mais prazer (logo trabalhamos mais facilmente e com gosto) até tive bons resultados. E, diga-se de passagem, eu não fiz realmente nada com tempo e afinco, não fiz nada que tivesse o sentimento de: "Uau, fiz isto e está mesmo “em bom”". Mas bem, ninguém nunca fica satisfeito com o que faz não é? E isso é bom, sabemos que tinhamos, temos, mais para dar. E estagnar é morrer.

20 comentários:

  1. Mais uma vez, um belo texto introspectivo, quer no que respeita à vida sentimental, quer à tua actividade como estudante.
    E em qualquer delas julgo estares a raciocinar muito bem.
    Deixando de lado a questão estudantil, em que eu procedi, na altura própria, exactamente como tu, gostaria de referir essencialmente o que diz respeito à parte afectiva.
    Diga-se o que se disser, todos nós andamos à procura da nossa "alma gémea", o que nem sempre é fácil de encontrar; mas como bem dizes, nada de fazer disso um drama, pois quando menos se espera ela aparece. Para tal, a receita é a que dizes: não andar deseperado a passar deste para aquele, para "ver se dá", mas estar atento e ir aproveitando as oportunidades que vão surgindo.
    Esperar sentado, também não é solução, e claro, o corpo exige de vez em quando algum "exercício".
    É no equilíbrio destas duas vertentes que deve decorrer a vida de quem está "solteiro". e tu pareces tê-lo encontrado - o equilíbrio; agora só falta mesmo encontrar o amor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado João :)
      Tens toda a razão, sem dramas, mas também não nos podemos ir anulando.
      Pois não é de facto a solução, torna-se difícil saber como agir, o que fazer...

      Ou que o amor me encontre a mim haha xD

      Eliminar
  2. sinto-me como tu quanto à parte das relações. xD

    ResponderEliminar
  3. Que grande evolução! Cresceste em vários sentidos e estás cada vez melhor, diga-se de passagem! ^^

    Abraço grande :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha espero que sim xD
      Obrigado Kuma!

      Grande abraço
      ^^

      Eliminar
  4. ponto 1: o filme é bom, muito bom (até lá se tiveres um tempinho, lê o adeus às armas, do hemingway, senão perdes uma das melhores cenas do filme, em atalhe de foice, podes ler o resumo que deve existir da wiki, mas o livro é mesmo uma das mais lindas histórias de amor).
    ponto 2: todos queremos encontrar aquela pessoa, a especial, e procura-se, mas sem dramas (e o filme é magistral nesse ponto, afinal está bem à nossa frente e o Pat insiste noutro amor...)
    ponto 3: parabéns pelas notas. :)
    bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Margarida, procurarei ler o livro. Quem se mete em atalhos mete-se em trabalhos, assim que poder leio o livro.
      É isso que penso :)
      Obrigado :)

      Beijinhos

      Eliminar
  5. O mundo deve estar do avesso.
    Miúdos de faculdade stressados com plásticas.
    RELAAXA... Trust me... Dói menos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahahaha
      Tenho de ser eu a preocupar-me comigo xD
      Pois acredito bem que sim, já ouvi dizer :P

      Eliminar
  6. A mona não disse mesmo mais nada?!
    É impressão minha ou este post vai ter uma nota de rodapé: "post actualizado às tantas horas do dia x...".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha não, não havia dito até ter publicado o post :P
      Já vou fazer um novo post, não vai ser uma nota de rodapé.

      Eliminar
  7. Fico contente por saber que te sentes bem enquadrado da tua vida. Por viveres da realidade e gostares disso sem abandonar os sonhos. Por aceitares que os ponteiros se mexem à velocidade de 1s por segundo e que cada coisa vem no seu tempo próprio, que pode não ser no agora. Acho que essa é uma das melhores sensações que se pode ter!

    (gostava de o sentir também. Esse sentimento vem-me por vezes mas escapa-me algum tempo depois...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, escapa. Já me escapou também, mas ficou uma lembrença, ainda recente, dele.
      E às vezes custa a aceitar, claro.
      Mas podemos sempre escrever uma canção...

      Eliminar
  8. Nem sei que diga. Eu ja tive esse sentimento e e muito raro o sentir. Aoroveita enquanto o sentes.

    ResponderEliminar
  9. Tanta coisa ao mesmo tempo! Pareces estar a fervilhar por dentro e a atirar em várias direcções!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, mas agora já está tudo mais calmo. Na normalidade :)
      Agora preciso é de mais direcções por onde atirar.

      Eliminar
  10. Também quero ver o filme. Há uma frase gira no fim do trailer - 'se formos positivos, há sempre a probabilidade de sermos felizes'! Essa é a atitude. :)

    O amor aparece quando menos esperares. É um cliché mas depois diz-me se não é verdade ;)

    Só tu para dizeres que perdeste o ar de miúdo! lollol XD
    Mas sendo assim ainda bem que o curso está a correr bem porque com o dinheiro que vais precisar para as plásticas é bom começares a trabalhar já amanhã! lololololol XD

    Fico contente por saber que as coisas te estão a correr bem :)
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. That's the attitude! :)

      Oh Arrakis, eu sei por experiência que é assim. E os clichés são como as lendas, algum fundo de verdade hão de ter :)

      Mas é a verdade, hahah o pior é que és capaz de ter razão. Isso ou ganhamos o euromilhões ;)

      Obrigado ^^

      Abraço

      Eliminar